Revivendo um computador no meio do nada

Traduções: en
23/10/2021

No começo desse mês, eu estava passando umas semanas em outro país. Era tarde e eu estava mais uma vez olhando meus arquivos pessoais e pensando se havia uma forma melhor de organizá-los em pastas.

Depois de pensar um pouco, eu decidi usar uma nova estrutura e movi alguns arquivos. No meio tempo, eu percebi que eu não tinha atualizado meus pacotes já há algum tempo, então eu comecei uma atualização.

No final da atualização eu vi um erro. O /etc/mkinitcpio.conf não tinha sido encontrado. Meu /etc/mkinitcpio.conf é um link simbólico para um arquivo na minha home já que isso torna mais fácil de acompanhar as mudanças nesse config como parte dos meus backups. E entre os arquivos que eu tinha acabado de mover estava justamente esse config, então eu atualizei o link para apontar para a nova localização. Eu rodei a atualização de novo e o pacman reportou "nothing to be done". Eu inocentemente acreditei que estava tudo certo agora.

Então eu reiniciei para checar que estava tudo funcionando com os arquivos no novo lugar. Assim que eu selecionei meu sistema no GRUB, ele reportou que o /initramfs-linux.img estava faltando. Mesma coisa para o initramfs de reserva (fallback). Eu estava oficialmente trancado para fora do meu sistema.

Agora tinha ficado claro o que aconteceu. Durante a atualização o kernel foi atualizado, e como parte disso a initramfs foi re-gerada, mas já que o arquivo de configuração estava inválido, isso foi abortado. Quando eu rodei o comando de atualização novamente, o pacman concluiu que nada mais precisava ser atualizado e assim disse. O que eu deveria ter feito é rodar manualmente o comando de instalação do pacote do kernel novamente para que a initramfs fosse de fato gerada. Como eu não fiz isso, não havia mais nenhum arquivo de initramfs na minha partição de boot, e portanto eu não conseguia inicializar o sistema.

Eu respirei fundo e comecei a pensar o que eu podia fazer. Eu só precisava de um pendrive com a ISO do ArchLinux para bootar dele e rodar de novo a instalação do pacote de kernel para arrumar essa bagunça. Mas já que eu estava em outro país, meus equipamentos eram limitados. Felizmente eu tinha um pendrive, mas não tinha outro computador para gravar a ISO.

A não ser... A não ser que eu pudesse usado meu amado celular Nexus 5X para gravar. A porta de carregamento dele é USB tipo C, e eu suspeitava que ela também funcionasse como OTG. Então eu tinha um pendrive e um cabo para conversão de USB A para C, só restava descobrir se era de fato possível gravar uma ISO do celular.

Eu imediatamente abri a F-Droid e pesquiser por um gravador de ISO. Para minha felicidade encontrei o EtchDroid. Sua descrição realmente ressoou comigo: "Você pode usá-lo para criar um pendrive bootável com GNU/Linux quando seu laptop está morto e você está no meio do nada." (tradução minha). Percebendo que talvez realmente fosse possível, eu fui na página do Arch Linux e baixei a ISO.

Eu então instalei o EtchDroid e abri ele. Eu selecionei a opção de gravar uma ISO, selecionei o arquivo da ISO, conectei o pendrive no celular e selecionei ele no aplicativo. Eu realmente gostei da interface simples dele:

{image}/etchdroid.png

Eu apertei o botão de iniciar a gravação e uma notificação apareceu mostrando o progresso:

{image}/flash_in_progress.png

E depois de alguns segundos, tinha acabado:

{image}/flash_done.png

Eu então desconectei o pendrive do celular e conectei no meu notebook. Eu fiquei muito feliz de ver que a imagem USB tinha funcionado e bootei dela.

Para consertar o problema eu configurei meus mountpoints, fiz um chroot para dentro do sistema, e rodei pacman -S linux para reinstalar o pacote do kernel e a initramfs ser re-gerada.

Com a initramfs de volta, eu reiniciei e tudo funcionou perfeitamente de novo 🙂.

Eu estou muito feliz que apesar do meu erro besta, eu consegui resolvê-lo bem rápido mesmo em um ambiente limitado graças a esse excelente aplicativo chamado EtchDroid. Com certeza vou guardar ele para futuras emergências.